Congresso Nacional da Pastoral da Saúde reúne 600 pessoas em São Paulo

Com o tema “Protagonismo do Leigo e o SUS”, a Pastoral da Saúde da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e o ICAPS – Instituto Camiliano de Pastoral da Saúde, realizaram nos dias 1 e 2 de setembro o XXXVII Congresso Brasileiro de Humanização e Pastoral da Saúde, no Centro Universitário São Camilo, no bairro do Ipiranga em São Paulo. O evento, que superou as expectativas de público, já estava com as vagas esgotadas mais de uma semana antes de sua realização.

Com a presença do Bispo Referencial da Pastoral da Saúde Nacional, Dom Roberto Ferrería Paz, do Coordenador Nacional, Alex Motta, demais membros da Coordenação, e do Diretor do ICAPS, Pe. Maurício Gris, o Congresso trouxe à discussão temas atuais e importantes para o trabalho pastoral. No ano do laicato, o protagonismo do leigo teve destaque e levantou discussões e reflexões que envolveram os mais de 600 participantes vindos de diversos regionais do país, entre membros do Clero, Coordenadores Regionais, Arquidiocesanos, Diocesanos, Paroquiais, profissionais e agentes pastorais.

No primeiro dia do encontro, Pe. Romão Duarte falou sobre a atuação e o papel do líder, destacando os fundamentos e práticas da difícil arte de liderar. Questões sobre a biossegurança, tão importante na atuação do agente da Pastoral da Saúde, foram abordadas pelo Dr. Antônio Babo. Pe. Francisco Alves trouxe as experiências de planejamento e atuação pastoral nos hospitais camilianos do Norte e Nordeste.

Ainda no sábado, ocorreu a Assembleia Nacional da Pastoral da Saúde, onde os Coordenadores puderam debater e deliberar sobre questões práticas pastorais, como: prestação de contas, eleição para o CNS – Conselho Nacional de Saúde, eleição para a Coordenação Nacional, regimento eleitoral e as atividades para 2019, onde destaca-se a Romaria Nacional ao Santuário de Aparecida, que foi marcada para o dia 02 de fevereiro, para coincidir com as comemorações do Ano Vocacional Camiliano. Durante a Assembleia também foi lida a Ata da Reunião do Conselho Fiscal, ocorrida na noite anterior.

O domingo, último dia do Congresso, começou com a celebração da Santa Missa presidida por Dom Roberto e concelebrada pelo Assessor Eclesiástico da Pastoral da Saúde Nacional, Padre Renato Prado, pelo Padre Maurício Gris, entre outros.

Dando continuidade ao tema, os palestrantes destacaram o papel do leigo na Igreja e as novas formas de ação na Pastoral da Saúde. A atuação do leigo na política e nas conferências de saúde também foram destaque. Os princípios históricos e perspectivas do SUS – Sistema Único de Saúde, que em 2018 completa 30 anos, deram aos presentes um panorama geral de sua realidade atual.

Diante da necessidade de um documento que oriente e ampare as ações da Pastoral da Saúde em âmbito nacional, a Coordenação Nacional apresentou em discussão aberta e paralela ao evento, uma proposta para a elaboração de “Diretrizes para a Assistência Espiritual e Religiosa nas Unidades de Saúde”. A proposta já havia sido disponibilizada no site da Pastoral Nacional e vinha recebendo colaborações para a discussão. Foram organizados grupos de trabalho para debaterem o documento e novas contribuições foram acrescentadas.

Ao final da tarde, o Congresso foi encerrado, consagrando-se por mais um ano como o maior e mais representativo evento da Pastoral da Saúde Nacional, buscando atingir o objetivo de integrar, informar e colaborar com a formação de agentes e profissionais para atuarem nas mais diversas realidades do país.

Texto e Foto: Coordenação Pastoral da Saúde